Imprimir

Abra seu Coração

Publicado em .

Leia mais:Abra seu CoraçãoA sala estava repleta de convidados, todos curiosos para ver a obra de arte, ainda oculta sob o pano branco.

Falava-se que o quadro era lindo.

As autoridades do local estavam presentes, entre fotógrafos, jornalistas e outros convidados, porque o pintor era, de fato, muito famoso.

Na hora marcada, o pano que cobria a pintura foi retirado e houve caloroso aplauso. O quadro era realmente impressionante.

Tratava-se de uma figura exuberante de Jesus, batendo suavemente na porta de uma casa.

O Cristo parecia vivo. Com o ouvido junto à porta Ele desejava ouvir se lá dentro alguém respondia.

Houve discursos e elogios. Todos admiravam aquela obra de arte perfeita.

Contudo, um observador curioso achou uma falha grave no quadro: a porta não tinha fechadura. Dirigiu-se ao artista e lhe falou com interesse: a porta que o senhor pintou não tem fechadura. Como é que O Visitante poderá abri-la?

É assim mesmo, respondeu o pintor calmamente.

A porta representa o coração humano, que só abre pelo lado de dentro.

Muitas vezes, mal interpretado, outras tantas, desprezado, grandemente ignorado pelos homens, o Cristo vem tentando entrar em nossa casa íntima há mais de dois milênios.

Conhecedor do caminho que conduz à felicidade suprema, Jesus continua sendo a visita que permanece do lado de fora dos corações, na tentativa de ouvir se lá dentro alguém responde ao seu chamado.

Todavia, muitos o chamamos de Mestre, mas não permitimos que Ele nos ensine as verdades da vida…

Grande quantidade de cristãos, falam que Ele é o médico das almas, mas não seguem as prescrições Dele…

Fonte: cleofas.com.br

Imprimir

A Imaculada Conceição de Maria

Publicado em .

Leia mais:A Imaculada Conceição de MariaA festa de hoje, Imaculada Conceição de Maria, desafia a inteligência dos mais sábios. A sociedade atual não consegue compreender e não encontra lógica que explique uma concepção como a descrita pelo Novo Testamento e esperada desde o Antigo Testamento, “eis que uma virgem dará à luz”. No entanto, para Deus que do nada criou todas as coisas, não seria um feito relativamente simples?

Para crer é preciso escolher ter fé. Maria é o exemplo maior de fé. Ela vem, numa sociedade corrompida por tantas opiniões e crenças, buscar livremente no Deus verdadeiro e na promessa a base de sua fé. Sim, a Imaculada Conceição é um ato de fé. Foi preciso encontrar entre todos os viventes uma mulher de fé perfeita para que a obra de salvação pudesse nos alcançar.

Nossos primeiros pais romperam com Deus uma relação de confiança e fé total. Preferiram outro caminho: o da autossuficiência. Preferiram acreditar que não precisavam de Deus. Maria vem restaurar esta relação ao se tornar um “nada” nas mãos de Deus, para que a exemplo do nada absoluto do qual Deus tudo criou, do “nada” de Maria o Homem Perfeito pudesse ser encarnado.

A exemplo de Maria que desafiou a sociedade em que vivia com sua fé e ainda hoje desafia nossa sociedade autossuficiente, depender totalmente de Deus e se entregar em suas mãos obedecendo e crendo totalmente não é estar ausente das coisas deste mundo. É viver seu tempo e estar em sintonia total com o Deus que tudo pode, e desafia as leis humanas. É crer que o impossível pode acontecer na nossa vida.

Por Lúcia Maria
Pastoral da Comunicação

Imprimir

Se reza o Rosário com frequência, estes conselhos te ajudarão a aperfeiçoar este hábito

Publicado em .

Leia mais:Se reza o Rosário com frequência, estes conselhos te ajudarão a aperfeiçoar este hábitoEm poucos dias terminará o mês do Rosário, no qual muitos católicos redescobrem esta oração preferida da Virgem Maria, fortalecem sua vida espiritual e contam com graças especiais.

Por isso, a fim de continuar aperfeiçoando o hábito desta oração, contemplando Jesus através da Virgem Maria, apresentamos 7 conselhos práticos para aprofundar na oração do Rosário, tirados do livro “O Rosário: Teologia de joelhos”, do sacerdote, escritor e funcionário da Secretaria de Estado do Vaticano, Mons. Florian Kolfhaus:

1. Dedicar o tempo necessário para rezá-lo

Nossos calendários estão cheios de compromissos. Entretanto, é bom reservar de 20 a 30 minutos por dia para a oração do Santo Rosário. Este encontro com Jesus e Maria é muito mais importante que as demais atividades agendadas.

Este tempo de oração é reservado para nós mesmos, porque é um tempo no qual devemos nos dedicar somente para amar. É possível reservar dois ou três dias da semana para a oração do Rosário e, desta forma, será cada vez mais fácil fazer esta oração, até finalmente poder rezá-la todos os dias.

2. Saber que rezamos para alguém

Uma boa oração está baseada em orientar completamente à vontade a agradar o nosso querido amigo, Cristo, e não a nós mesmos.

3. Fazer pausas para nos concentrarmos

Santo Ignácio de Loyola recomenda a chamada “terceira forma de rezar” para adaptar as palavras ao ritmo da própria respiração.

Normalmente, é suficiente interromper um mistério do Rosário para voltar a ser consciente de que Jesus e Maria nos olham cheios de alegria e amor. Para isto, pode ser útil respirar duas ou três vezes, antes de voltar a retomar a oração.

4. Dirigir os nossos pensamentos aos mistérios

Podemos e devemos “desviar” os pensamentos para encontrar o mistério que devemos visualizar na nossa mente antes de cada dezena do rosário.

É pouco provável que a repetição seja útil se não for encaminhada várias vezes para o essencial, que é a vida de Jesus e de Maria.

5. Fazer da oração um momento para compartilhar com Cristo

Um dos primeiros e mais importantes passos para a oração interior é não só nos dedicarmos a pensar e a meditar, mas olhar para aquele a quem está dirigida a nossa prece.

Saber que, aquele a quem nos dirigimos nos ama infinitamente e despertará em nós diversos e espontâneos sentimentos, assim como quando desfrutamos e nos alegramos com uma pessoa que gostamos muito.

6. Fechar os olhos ou simplesmente fixá-los em um só lugar

Algumas pessoas fecham os olhos a fim de se concentrar e rezar melhor. Isso pode ser uma ajuda, mas normalmente é suficiente fixar o olhar em um só lugar e evitar olhar ao redor. De qualquer maneira, é importante que os olhos do coração estejam sempre abertos.

O Rosário é como uma visita ao cinema. Trata-se de ver imagens. Algumas perguntas básicas podem ser de utilidade: O que, quem, como, quando, onde? Como vejo o nascimento de Jesus, sua crucificação, sua ascensão.

Às vezes, posso – como se tivesse uma câmara – aproximar elementos ou detalhes e procurar um primeiro plano: a mão de Cristo transpassada pelos pregos, as lágrimas nos olhos do apóstolo João enquanto o Senhor subia aos céus, etc.

7. Que a intenção de rezar sempre seja o amor

As palavras acompanham, nossa mente se dispõe, mas o nosso coração deve dominar a oração.

Todos os grandes escritores espirituais concordam que a oração interior atinge principalmente nossos sentimentos e emoções.

Santa Teresa D’Ávila explica de maneira simples: “Não pense muito, ame muito!”. Em uma ocasião, uma senhora me contou que não conseguia pensar em rezar o Rosário todos os dias, mas a única coisa que conseguia dizer interiormente era: ‘Jesus, Maria, eu os amo!’. Parabenizo a esta mulher, pois a tal resultado a oração do Rosário nos deve levar.

Fonte: acidigital.com

Imprimir

Por que a Igreja Católica cultua a imagem de santos?

Publicado em .

Leia mais:Por que a Igreja Católica cultua a imagem de santos?Sem a mediação única de Cristo nenhuma outra tem poder

Em primeiro lugar, é preciso entender que Deus não nos proíbe de fazer imagens, mas sim imagens “de ídolos”, ou seja, de deuses falsos.

Já no Antigo Testamento, o próprio Deus prescreveu a confecção de imagens como querubins, serpentes de bronze, leões do palácio de Salomão etc. A Bíblia defende o uso de imagens como é possível verificar em muitas passagens: Ex 25,17-22; 37,7-9; 41,18; Nm 21,8-9; 1Rs 6,23-29.32; 7,26-29.36; 8,7; 1Cr 28,18-19; 2Cr 3,7.10-14; 5,8; 1Sm 4,4; 2Sm 6,2; Sb 16,5-8; Ez 41,17-21; Hb 9,5 e outras mais.

Os profetas condenavam a confecção de imagens “de ídolos”: “Os que modelam ídolos nada são, as suas obras preciosas não lhes trazem nenhum proveito. Quem fabrica um deus e funde um ídolo que de nada lhe pode valer?” (Isaías 44,9-17).

Imprimir

Quais são as Obras de Misericórdia?

Publicado em .

Leia mais:Quais são as Obras de Misericórdia?O Papa Francisco convocou o Ano jubilar da Misericórdia, e recomendou que durante esse tempo realizássemos as obras de misericórdia, mas o que são e quais são?

“Precisamos sempre de contemplar o mistério da misericórdia. É fonte de alegria, serenidade e paz. É condição da nossa salvação. Misericórdia: é a palavra que revela o mistério da Santíssima Trindade. Misericórdia: é o ato último e supremo pelo qual Deus vem ao nosso encontro. Misericórdia: é a lei fundamental que mora no coração de cada pessoa, quando vê com olhos sinceros o irmão que encontra no caminho da vida. Misericórdia: é o caminho que une Deus e o homem, porque nos abre o coração à esperança de sermos amados para sempre, apesar da limitação do nosso pecado” Papa Francisco, Bula Misericordiae Vultus.

1. Que são as Obras de Misericórdia?

As obras de misericórdia são as ações caridosas pelas quais vamos em ajuda do nosso próximo, nas suas necessidades corporais e espirituais. Instruir, aconselhar, consolar, confortar, são obras de misericórdia espirituais, como perdoar e suportar com paciência. As obras de misericórdia corporais consistem nomeadamente em dar de comer a quem tem fome, albergar quem não tem teto, vestir os nus, visitar os doentes e os presos, sepultar os mortos. Entre estes gestos, a esmola dada aos pobres é um dos principais testemunhos da caridade fraterna e também uma prática de justiça que agrada a Deus.
Catecismo da Igreja Católica, 2447.