Imprimir

Matrimônio: Sacramento de Serviço

Publicado em .

papa francisco familiaDando continuidade ao estudo do documento pós-sinodal, parte III, intitulado "A Liturgia - na vida e na missão da Igreja Particular de Goiânia", no que diz respeito aos sacramentos, o tema da reunião mensal de Pastoral de junho foi Matrimônio, que junto com a Ordem, são considerados Sacramentos de Serviço.

O assessor para o tema, o bispo auxiliar e coordenador de pastoral, Dom Moacir S. Arantes, salienta que quando um casal se casa no Senhor, eles não se casam apenas para estar um na vida do outro. Assim como no sacramento da Ordem, eles recebem a graça santificante para amarem e, através do amor, ajudarem uma ao outro e aquelas pessoas que estão ao alcance dos seus atos e dos seus relacionamentos a viverem a experiência de Deus. O bispo ainda convida à reflexão:

"Para que um homem e uma mulher estão na vida um do outro? Para amarem. E qual o objetivo do amor? Que eles se realizem. E como uma pessoa se realiza? Conhecendo a Deus e alcançando em Deus a plenitude da sua vida."

 Criados para amar

"Fomos criados para amar, como reflexo de Deus e do seu amor. E na união conjugal, o homem e a mulher realizam esta vocação no sinal da reciprocidade e da comunhão de vida plena e definitiva," (Papa Francisco)

O Matrimônio é um dom dado por Deus, ele não é uma realidade criada pela cultura e nem pela psicologia. A forma como se configura pode ter elementos culturais, mas o homem e a mulher se destinam um para o outro por desígnio de Deus. Conhecer o sacramento é importante, porque ele deve ser o lugar seguropara a felicidade e para construção de uma família.

Conhecer para valorizar

Na medida em que as pessoas não conhecem o valor do sacramento do Matrimônio, elas começam a a char que o casamento é aquilo mostrado pela mídia, novelas e até mesmo pela sociologia, e vão desvalorizando o sacramento por não conhecerem na verdade, o seu sentido real.

Origem da família

Quando um casal, movido pela fé, sente o desejo de amar e de construir uma família, esse é o caminho saudável. Os cristãos acreditam que a família foi pensada para se iniciar pelo Matrimônio, tal como uma construção que começa com um projeto de engenharia e arquitetura. É possível construir sem um projeto, porém o resultado é uma casa mal construída, e logo começam a aparecer problemas.

Se olharmos para uma casa assim, avaliamos que construir casas não é uma boa. É preciso construir com responsabilidade, preparo, cuidado.

Base da sociedade

Dom Moacir salienta que "quando uma família começa de um casal que se conhece, se encontra, se depara amando e descobre no seu amor não apenas um desejo humano, o sentimento, a carência, mas sim um propósito divino, o casal se estrutura a partir do perdão, da compreensão, do diálogo e da integração. A partir daí, a vida que é gerada vem de um projeto de vida, que também é espiritual.

A sociedade se estrutura fundando-se nas pessoas e as pessoas se estruturam com base nas suas experiências familiares. Todos nós vivemos uma experiência de amor, que é o desejo de Deus para que existíssemos. E a família deve ser o lugar próprio para isso, para que o indíviduo possa crescer em um ambiente equilibrado. Se queremos uma sociedade sadia, bem estruturada, indubitavelmente, é preciso cuidar das famílias.

Superar os desafios

Segundo o Santo Padre, em uma de suas catequeses destinadas ao sacramento do Matrimônio, as dificuldades e desafios são uma realidade na vida matrimonial, "e tantas vezes o marido e a mulher se tornam um pouco nervosos e brigam entre si. Brigam, é assim, sempre se briga no matrimônio, algumas vezes voam até os pratos. Mas não devemos ficar tristes por isso, a condição humana é assim. E o segredo é que o amor é mais forte que o momento no qual se briga e por isso eu aconselho aos esposos sempre: Não terminem um dia no qual tenham brigado, sem fazer as pazes"

Para isso o Papa Francisco destaca a oração, o perdão e o uso de três palavras: com licença, obrigado e desculpa, como um caminho para se bem conviver e preservar o Matrimônio.

 Romper com a cultura do provisório

Na atualidade, tudo é rápido e efêmero, as pessoas diariamente consomem e são bombardeadas por informações, imagens e conceitos. O papa Francisco atenta para o reflexo disso na realidade do Matrimônio. Segundo o Santo Padre, cada vez menos os jovens pensam em casamento e em muitos países aumenta o número de separações e diminui o número de filhos.

"A dificuldade de permanecer unidos - quer como casal, quer como família - leva a interromper os vínculos com frequência e rapidez cada vez maiores, e são precisamente os filhos os primeiros a sofrer as consequências (...) Com efeito, muitos jovens são impelidos a renunciar ao próprio programa de um vínculo irrevogável e de uma família duradoura. Acho que devemos meditar com grande seriedade sobre o motivo pelo qual tantos jovens não estão dispostos a csas. Existe uma cultura do provisório. Tudo é provisório, parece que não existe algo definitivo".

Ensinar o dom de amar

É preciso que os jovens descubram o que é o dom do Matrimônio e que ele está ao alcance daqueles que de fato querem viver a experiência de um amor marcado pelo compromisso, pela fidelidade, pela fecundidade e pela esperança.